Palhoça zera fila do atendimento especializado a famílias e indivíduos com direitos violados

Ampliação do serviço contribuiu para alcançar meta e diminuiu o tempo de espera por atendimento psicossocial às vítimas de abuso sexual.

Palhoça zerou a fila de espera pelo Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos (Paefi). A boa notícia foi divulgada pela Secretaria Municipal de Assistência Social, nesta segunda-feira, 15. O serviço presta atendimento diferenciado aos munícipes que vivenciam situações de violência física e psicológica; violência sexual – em forma de abuso ou exploração; entre outros.

Em janeiro deste ano eram 260 casos aguardando apoio na fila de espera que se arrastava por mais de oito meses. Porém, uma iniciativa da atual gestão da Administração Pública Municipal contribuiu para ampliar a capacidade de atendimento. “Contratamos mais psicólogos, assistentes sociais e pedagogos. Antes contávamos apenas com 9 equipes técnicas, hoje já são 14 grupos totalizando 35 profissionais. Para se ter uma ideia, cada dupla de servidores acompanha 35 famílias”, informa o secretário municipal de Assistência Social, vice-prefeito Nilson João Espíndola.

O acompanhamento de cada situação dura em media de 6 meses a um ano e atualmente Palhoça monitora cerca de 490 ocorrências. “Grande parte de nossa demanda está relacionada a abusos sexuais praticados em crianças. São as situações que chamamos de intrafamiliares. Há casos sendo acompanhados desde 2008”, conta a diretora do CREAS, Priscila Cardoso.

Conforme dados do próprio Paefi, 63% das denúncias está relacionada a violência contra crianças, adolescentes, idosos e mulheres. O abuso sexual totaliza 45% destas ocorrências, seguida por violência física. As meninas são as mais afetadas pela violação sexual com registros que chegam a marca dos 74%.

Com a ampliação das equipes, o município volta a garantir o atendimento imediato às famílias. Hoje, a denúncia chega ao CREAS e em menos de um mês a equipe de triagem do Paefi entra em contato com a família para realizar as primeiras intervenções. “Trabalhamos com uma rede de apoio composto por órgão como o Conselho Tutelar e a Polícia Militar que identificam e encaminham os caos que precisam ser acolhidos pelo Paefi”, explica a coordenadora do Paefi no CREAS Palhoça, Helaine Cristina da Silva.

O serviço de proteção funciona anexo ao Centro de Referência Especializado, localizado na rua Barão do Rio Branco, 748, Centro. Para solicitar atendimento ou realizar uma denúncia basta se dirigir até o local no horário das 7 às 19h. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone do setor de acolhimento do CREAS 3242-4509 ou 3286-7018, das 7 às 19h.

Jonathas Cesário

Comunicação/Prefeitura de Palhoça

(48) 3279-1775

Todas as matérias e fotos da comunicação da Prefeitura Municipal de Palhoça são de domínio público, desde que conservados os créditos.

PRONATEC em destaque

Logo PronatecO Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego – o Pronatec desenvolvido em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Social, Ministério da Educação e Secretaria Municipal de Assistência Social.

O Pronatec de Palhoça está em destaque, conta com 2.700 (dois mil e setecentos alunos em sala de aula, além de 100 (cem) novas turmas previstas para o segundo semestre de 2014.

Para o prefeito municipal de Palhoça, o aumento da procura pelos cursos demonstra o interesse dos munícipes em buscaram capacitação profissional e evidenciam a qualidade do ensino. “Palhoça está crescendo exponencialmente e precisa de profissionais qualificados. Por isto, as capacitações do Pronatec são tão importantes para nosso município, pois estamos formando pessoas aptas a entrar e se manter no mercado de trabalho”, enfatizou.

Para ingressar em um dos 80 cursos técnicos gratuitos, os candidatos devem comparecer ao prédio da antiga prefeitura com o documento de identidade (RG) e CPF. Até o final do ano, o Pronatec Palhoça disponibilizará mais 5 mil vagas à população de Palhoça.

As capacitações são ministradas por profissionais dos institutos do sistema “S”: Senai, Senac e Sest/Senat, além do Instituto Federal de Santa Catarina. O material didático ou prático, assim como uma ajuda de custo de R$ 2,00, hora-aula, que também é fornecido pelo programa. Ao finalizar o curso, o aluno receberá certificado reconhecido pelo Ministério da Educação.

Trabalho de Mobilização Comunitária

O Centro de Referência de Assistência Social – CRAS participa das reuniões do Fórum Social Permanente Brejaru e Frei Damião, este foi criado em junho de 2010 e tem como princípios e diretrizes:

* Democratização e transparência das demandas e lutas populares (Brejaru e Frei Damião), assim como o acesso aos bens e serviços socialmente produzidos;

* Compromisso com a defesa dos Direitos Humanos, Sociais, Civis, Políticos Econômicos e Ambientais;

 * Valorização da história e saber das bases organizativas das comunidades do Frei Damião e Brejaru;

 * Participação popular e o protagonismo comunitário nos assuntos de interesse da população e da localidade;

 * Efetivação de Políticas Sociais / Públicas de acesso aos direitos da população que reside nas comunidades Frei Damião e Brejaru.

 As reuniões acontecem toda primeira terça-feira de cada mês às 14h00min e em locais diferentes, geralmente nas instituições da própria comunidade. Participam do Fórum representantes da comunidade, representantes das associações e instituições da rede socioassistencial e intersetorial.